23/11/2008

Noite


Encontro-me perdido no meio da noite escura

em contemplações de mim

em sonhos que não têm fim

em contradições

e incertezas

e muitas certezas que tive

foram-se com a noite escura

a noite onde me encontro

que muitas vezes me acolhe

do rosto claro do sol

esse que exige definições

certezas e conclusões

coisas que eu já esqueci

encontro-me na noite escura

que é cárcere e é refúgio

é esconderijo e uma máscara

que se apega ao meu corpo

tem cheiro a lírios brancos

a cera de velas queimando

a incenso oferecido

a um Deus pagão de amor

perco-me nesta noite só minha

que é minha morte e renascer

minha prisão e minhas asas

Mas é a ti meu amor

que procuro nesta estrada

nesta noite sem madrugada

onde me perdi sem saber

estende para mim os teus braços

e prende-me naquele abraço

que liberta e que acalenta

no abraço do amor

aquele que que ampara e acalma

quem como eu se perdeu

só tu, só tu meu amor

como doce e frágil flor

iluminas a minha noite

a noite da minha alma

é no bater do teu coração

que nasce a minha ilusão

o meu sonho e a minha crença

a minha força de viver

ergue-me das trevas que me cercam

da noite em que me encerro

só por medo de viver

aperta-me contra o teu peito

aperta-me junto a ti

não me deixes sozinho

mostra-me com teu amor

que ainda é possível sonhar

desejar e encontrar

o meu perdido caminho


Nenhum comentário :

Postar um comentário